Trabalhadores demitidos do Elias Moreira e FCJ estão sem receber

postado em: Notícias | 1

pc3a9-na-bundaDepois de anos de trabalho, o reconhecimento é o calote!

Há mais de um mês, parte dos trabalhadores demitidos do colégio Elias Moreira e da Faculdade Cenecista de Joinville (FCJ) estão sem receber as verbas rescisórias. Foram aproximadamente 30 demissões recentemente. São Professores e Administrativos com longo tempo de serviço prestado à escola e que agora são reconhecidos assim. Sem o pagamento, não é possível fazer a homologação da rescisão do contrato de trabalho. Enquanto isso, os trabalhadores ficam sem poder sacar o FGTS e sem poder dar entrada no Seguro Desemprego.

Escola cogita o parcelamento das dívidas

Por email, a direção da escola comentou sobre a possibilidade de parcelamento da dívida para viabilizar as homologações. O Sinpronorte, em unidade com os trabalhadores, já se posicionou negando o parcelamento.

FGTS também está atrasado

Desde 2015, as escolas estão com irregularidades no depósito do FGTS. Segundo informações dos próprios trabalhadores, os depósitos não estão em dia. Em dezembro do ano passado, o Sinpronorte já havia cobrado uma resposta das escolas sobre esses atrasos.

Trabalhadores receberam o 13º salário atrasado

Já em dezembro do ano passado, a escola deu um terrível presente de natal para seus funcionários: atraso no pagamento do 13º salário. Depois de várias assembleias com os trabalhadores e recursos jurídicos, a escola se comprometeu em parcelar o 13º salário. A última das cinco parcelas foi paga em abril.

Realidade da rede CNEC

O colégio Elias Moreira e a FCJ são mantidos pelas Campanha Nacional de Escolas da Comunidade (CNEC). Esta é uma rede com escolas e faculdades por todo o país e com administração centralizada em Brasília. Segundo a direção local, as unidades de Joinville são lucrativas, mas as receitas são repassadas para rede que decide o que paga e o que não paga.

A realidade no restante do país não é diferente de Joinville. Atraso do pagamento de 13º salário, demissões em massa e fechamento de unidades.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

nove + 7 =