Negociação salarial garante Ganho Real para maioria da categoria

postado em: Notícias | 0

O Sinpronorte fechou ontem (19 de maio) a negociação salarial dos professores e técnicos administrativos para 2015. O reajuste salarial teve dois índices diferenciados. Para os professores e administrativos do ensino superior o reajuste será de 7,68%. Para todas as outras funções, o reajuste será de 8%. A inflação do período negociado foi de 7,68% segundo INPC (Índice Nacional de Preços ao Consumidor). A data-base da categoria é 1º de março.

 

O reajuste nos pisos também será calculado em função de dois índices. Os professores do ensino superior terão reajuste de 12%. As demais faixas salariais serão reajustas em 8%. Confira na tabela:

 

Grupo Salarial Valor atual (hora/aula) Reajuste Valor negociado (hora/aula)
Professor Educação Infantil R$ 6,08 8% R$ 6,57
Auxiliar de Classe Educação Infantil R$ 3,47 8% R$ 3,75
Ensino Fundamental – (1ª a 4ª série) ou (1º ao 5º ano) R$ 6,08 8% R$ 6,57
Ensino Fundamental – (5ª a 8ª série) ou (6º ao 9º ano) R$ 8,75 8% R$ 9,45
Ensino Médio (2º Grau) e Curso Técnico Profissionalizante R$ 11,04 8% R$ 11,92
Educação de Jovens e Adultos (Supletivo) R$ 11,04 8% R$ 11,92
Ensino Superior (3º Grau) R$ 19,60 12% R$ 21,95
Pré-Vestibular R$ 19,34 8% R$ 20,89
Cursos Livres – Professor R$ 8,75 8% R$ 9,45
Cursos Livres – Instrutor R$ 4,38 8% R$ 4,73

 

O piso salarial dos técnicos administrativos foi equiparado ao piso salarial estadual, estipulado em R$ 1.042,00. Neste caso, o reajuste representa um acréscimo de 8,54% no piso. É importante observar que esse valor está vigente desde 1º de janeiro.

 

A negociação de cláusulas sociais não avançou nenhum milímetro. O Sinpronorte reivindicava outros itens com impacto na qualidade de vida do trabalhador, mas as escolas mantiveram a posição intransigente. Os pontos diziam respeito a período de estabilidade pré-aposentadoria, licenças maternidade e paternidade, período para amamentação e ampliação de bolsas de estudo. Como a convenção tem vigência de dois anos, só em 2017 serão negociados esses itens novamente.

 

Negociação diferenciada no Ensino Superior. Por quê?

Durante as quatro rodadas de negociação o sindicato patronal alegou que o ensino superior passa por dificuldades. Um dos motivos seriam problemas relativos ao FIES. Por outro lado, o reajuste do piso ficou bem acima da média por interesse das escolas – para o trabalhador também é bom, mas tem segundas intenções. A elevação do piso é uma estratégia das faculdades para dificultar a entrada de grandes grupos educacionais que oferecem cursos com preços de mensalidades baixíssimos.

 

A negociação definiu que para o próximo ano o reajuste do ensino superior deverá ser diferenciado para mais. A diferença entre o 7,68% e 8% será considerado no reajuste do próximo ano.

 

Contribuição assistencial

Com o fechamento da Convenção Coletiva fica estabelecida também a contribuição assistencial dos trabalhadores. O desconto estipulado foi o mesmo das negociações anteriores. Serão dois descontos de 1,5%, um em agosto e outro em novembro. Os trabalhadores têm direito a fazer oposição a este desconto. Só serão aceitas cartas de oposição no período de 6 a 17 de julho. O Sinpronorte fará outras divulgações desse prazo mais adiante.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

nove − dois =